Prisão de ventre



Quando segurei um corpo frio,
Lavado por pedras fecais...
Percebi sua voz clamar por vida!
Em um paralelo entre lugares
Que eu jamais poderia chegar.
Aquele ser, mergulhava no rio
Mais escuro do seu deus;
Depois voltava inteiramente cansado!
Com carvão e urucu nas mãos,
O rosto melado de barro;
Trazendo em prece os restos de comida
De um almoço que ele não comeria.
Como absorver vida?
Se expelir é a insígnia de um condenado?
Ainda havia uma razoável quantidade de sopros
Saindo daquele amontoado de pele pútrida;
Sua face causava uma intensa violência,
Pra que a vida, se tornasse inútil...
Por sua vez, num grande esforço,
Os sopros se tornaram palavras!
Criou-se um envoltório de lamentos,
Conheci a verdadeira náusea...
Um esforço que me fez acreditar
Que o ser humano seria a maior criação;
Então, conheci um método chamado “lavagem”;
Pela primeira vez, enxerguei a amargura
De uma alma, refletida claramente num olhar...
Não sentia nem pulsar o coração!
Anseios, desejos, metas, esperança?
Tudo saía de maneira espalhafatosa pelo reto,
Seu credo era no inferno!
Até o dia que nada sairia mais;
Foram seis incansáveis dias de prisão,
De tudo que ninguém deseja dentro de si.
Ainda posso escutar seus gritos
Ao enfiarem o terrível instrumento
Naquilo que o destruía;
Acabaram gritos, voltaram sopros,
Acabaram sopros, apenas lamentos soavam...
Após os lamentos?
Apenas o barulho das rodas da maca
Que o levava para o fundo das águas negras,
Para o barro sórdido que trazia na face.

POR REGIS MOREIRA

2 comentários:

  1. Paulo disse...:

    Gosto das imagens desta poesia... bom trabalho.

  1. JOÃO HENRIQUE disse...:

    Meu caro amigo, gore como sempre, pena que sua existência foi curta.Espero conseguir mais escritos seus para publicar. Um abraço

Postar um comentário

 
FANTASCÓPIO CARIRI © 2010 | Designer by Martins WEB DESIGNER